Tomar o pulso ao planeta - Secundário superior

Breve descrição

Neste conjunto de três actividades, os alunos aprenderão como os dados são recolhidos pelos sensores e como a órbita de um satélite afecta o detalhe que pode ser obtido. Uma atividade baseada em texto introduz o conceito de deteção remota e analisa a forma como os sensores e os satélites em diferentes órbitas podem ser combinados com a aplicação pretendida. Segue-se um trabalho matemático que explora os factores que afectam a quantidade de detalhes visíveis numa imagem de satélite. Na atividade final, os alunos utilizam a aplicação web Climate from Space para explorar uma série de variáveis climáticas durante os eventos El Niño e La Niña.

Assunto Geografia, Ciências, Ciências da Terra

Objectivos de aprendizagem
  • Enumerar os principais componentes de um sistema de deteção remota
  • Descrever as vantagens e desvantagens das diferentes órbitas de satélites para monitorizar a Terra e o seu clima
  • Criar uma infografia para transmitir a investigação de uma forma cativante
  • Analisar uma imagem digital para determinar a resolução da imagem
  • Considerar a forma como os sensores são adaptados para utilização em plataformas de satélites
  • Sugerir razões para as diferenças na resolução dos dados recolhidos por diferentes instrumentos
  • Utilizar dados climáticos para identificar eventos El Niño e La Niña
  • Explicar como estes acontecimentos têm efeitos globais e investigar o impacto humano e social de um desses efeitos
Faixa etária
14 - 16 anos de idade
Tempo
aproximadamente 45 minutos por atividade
Recurso disponível em:
Atividade 1: Tomar o pulso ao planeta
Nesta atividade de compreensão, os alunos são introduzidos ao conceito de deteção remota e exploram a utilização de satélites em diferentes órbitas para monitorizar componentes do sistema climático da Terra. Leitores confiantes podem realizar esta atividade como um exercício de casa autónomo, e a tarefa de investigação final pode ser realizada individualmente ou em pares/grupos.
Atividade 2: O que podemos ver do espaço?
Nesta atividade, os alunos serão desafiados a refletir sobre os factores que afectam a quantidade de detalhes possíveis nos dados recolhidos do espaço. Os cálculos baseados na informação sobre uma imagem digital tirada na sala de aula com uma câmara do dia a dia permitem aos alunos rever ideias matemáticas sobre triângulos semelhantes ou proporcionalidade. A investigação da resolução dos conjuntos de dados na aplicação web Climate from Space introduz a vasta gama de ECVs que podem ser medidos a partir do espaço. 
Equipamento
  • Ficha de trabalho do aluno 2 (2 páginas)
  • Uma régua de metro ou uma fita métrica
  • Smartphone ou câmara digital
  • Calculadora
  • Software de processamento de imagem com o qual os alunos estão familiarizados
  • Aplicação Web "Climate from Space" (cfs.climate.esa.int)
Atividade 3: El Niño e La Niña
Nesta atividade, os alunos irão explorar mais pormenorizadamente alguns conjuntos de dados da aplicação Web "Climate from Space", a fim de compreenderem melhor os fenómenos El Niño e La Niña e investigarem os seus impactos.

Sabia que?

Uma das principais utilizações da observação da Terra é a monitorização do clima. O sistema climático é complicado e a sua compreensão requer medições em todo o globo, pelo que o espaço é o ponto de observação ideal para a recolha de dados: seria necessário um exército de observadores ao nível do solo para recolher a informação contida numa única imagem de satélite. Os instrumentos espaciais podem também recolher dados de locais remotos ou inacessíveis, como as regiões polares e o meio do oceano. Uma outra vantagem dos satélites é o facto de poderem efetuar medições a intervalos regulares ao longo de um período de anos. Graças à sobreposição de medições de várias famílias de instrumentos de satélite, dispomos agora de registos pormenorizados, que abrangem décadas, de muitos dos principais aspectos do clima a que os cientistas e os decisores políticos chamam Variáveis Climáticas Essenciais (VCE).

Alteração do uso do solo

As imagens de satélite permitem-nos documentar com grande precisão as alterações na utilização dos solos. Descubra como os satélites fornecem informações sobre a utilização dos solos à escala global. Vídeo da ESERO Alemanha (em inglês).